Gravura: Canibalismo, Theodor de Bry

 

(…) Irei agora portanto, propor humildemente as minhas próprias reflexões, que espero não sejam susceptíveis de menor oposição.

Tendo-me sido assegurado, por um americano muito sábio, em Londres, que uma criança saudável e bem alimentada é, com um ano de idade, uma comida deliciosa, nutriente e completa, seja estufada, grelhada, assada ou cozida; e não tenho dúvidas de que poderá ser igualmente servida em fricassé ou guisada.

Assim ofereço humildemente à consideração pública que, das cento e vinte mil crianças já contadas, vinte mil podem ser reservadas para procriação, das quais apenas uma quarta parte serão machos; o que é mais do que permitimos às ovelhas, gado bovino ou suínos; e a minha justificação é que estas crianças raramente são fruto do casamento, uma circunstância não muito observada pelos nossos selvagens; portanto um macho será suficiente para cobrir quatro fêmeas. Que as restantes cem mil, com um ano de idade, sejam oferecidas para venda a pessoas de qualidade e fortuna por todo o reino; sempre advertindo a mãe para que as deixe mamar profusamente no último mês, de modo a torná-las rechonchudas e gordas para uma boa mesa. Uma criança comporá dois pratos para uma refeição de amigos; e quando a família jantar sozinha, os quartos anteriores ou posteriores fornecerão um prato razoável e, temperado com um pouco de pimenta ou sal, ainda fará um bom cozido ao quarto dia, especialmente no Inverno.

Fiz as contas e, em média, um recém-nascido pesará umas 12 libras e, dentro de um ano, se convenientemente nutrido, aumentará para 28 libras. (…)

in,  “Uma Proposta Modesta”, Jonathan Swift, Alfabeto, Tradução: Pedro Ventura.